20 de fevereiro de 2014

Adeus em silêncio.

Meus lábios não mais tocarão os seus, nem tua epiderme repousará junto a minha.
Pois, as voltas, "revoltas" e reviravoltas eram constantes.
A insegurança, o desejo de posse precoce e melancólico pois tudo a perder.
Nem tudo que queremos podemos e nem tudo que podemos queremos.
O amor quando único, persevera e se faz real e fato único.
Na nudez da alma o que se revela é o sentimento puro e verdadeiro.
Mas a mente trabalha inconstantemente sendo o ópio alucinante levando a insensatez que corrói e adultera a realidade, pura e simplesmente.
E quando o tempo passa mesmo que seja pouco traz  a saudade, o desejo e o arrependimento.
Mas aí a estrutura já está muito  abalada, o coração machucado e a mágoa sufoca tudo que era bom.
Quando olhamos para traz a única coisa que vemos é a saudade e aquele Adeus que foi dado somente na troca de olhar.
Poeta Brasil 20/02/2014

5 de maio de 2013

O que é que eu faço sem teu abraço?
Sem teu som, sem teu tom, sem teu toque?
Como posso viver sem teu sorriso, largo e contagiante?
O que eu faço na tua ausência a não ser me angustiar.
Contar as horas, minutos e segundo que demoram séculos a passar?
O tempo corre tão lento que a angustia me consome na mesma velocidade tardia.
Mas quando estou contigo sou infinito e o tempo passa na velocidade da luz.
eu quero teu corpo teus lábios carnudos,
doces e acolhedores que procuram os meus sem timidez.
Isso me exalta, enaltece, apetece o meu desejo, minha vontade de ti cresce cada vez mais.
Mas tu malvada, me atiça ascendendo em mim a cobiça me atiçando de vez.
Anseio pela nudez do teu corpo, pelo sabor dos teus lábios e pelo sussurro de tua voz aos ouvidos meus.
Rolando na cama desarrumada de um lado para o outro dois loucos amantes.

"Voce"

Teus olhos em meus olhos sem timidez, sem receio, sem peso, sem medida.
Teu toque suave em meu rosto, tuas mãos a me percorrer  todo corpo.
Teus gemidos em meus ouvidos, uivo baixinho, faminto como lobo!
Enquanto minha mão maliciosa também percorre o corpo teu.
Teu calor alimenta e teus gemidos ascende os desejos meus.
Sussurro em teus ouvidos palavras obscena, gemidos,beijos, carícias, malicias e juras de amor jamais ditas!
Pronuncias sem nexo, gritos, suor ao som baixinho de uma bela canção!
Nossos corpos unidos, suados, o prazer parece infinto.
Corações descompassados, posições, que se invertem o tempo todo.
Uma busca louca para atingir o momentâneo êxtase que parece ser infinito naquela fração de segundo.
Não ha amanhã somente o hoje, o agora.


Carlos A. Passos
Poeta Brasil

11 de setembro de 2012

Além do que os olhos possam ver


Quando quiser afastar de você alguém que acaba de conhecer.
Seja sincero, fale abertamente dos seus medos, de suas vitorias, derrotas, dos momentos tristes de sua vida, fale tudo que ela gostaria de saber mas jamais teria coragem de perguntar.
Pode ter certeza que dificilmente ela te procurará novamente.
Porém, se te procurar é porque tem a impressão de que já te conhecia e de que já te amou em outras vidas e vai te amar nessa também.



Carlos A. Passos
Poeta Brasil                    
                                                11/09/2012

20 de agosto de 2012







Em um breve momento vejo tudo simples, fácil e descomplicado.
Porém esse momento se vai rápido, levando consigo a minha grande certeza.
De que tudo é pratico, previsto e matemático, me deixando como qualquer ser humano.
Desprovido de certezas e exatidão, tendo que muitas vezes me lançar ao abismo, sem ter a certeza de absolutamente  nada.
As vezes ter que buscar dentro de mim a resposta certa, a decisão ou até mesmo a força que me falta.
As vezes parece ser tão fácil para uns e tão difícil para outros.
Deve ser o exato momento, em que "um breve momento tudo parece ser simples, fácil e descomplicado",
para quele individuo.
Portanto todos temos em algum momento nem que seja em uma pequena  fração de segundo esse momento.
Em que podemos nos lançar ao abismo tendo absurda a certeza do que vamos encontrar e reverter o resultado a nosso favor.
Esses momento são raros na vida do ser humano mas que existem, existem.

Poeta Brasil
Carlos A. Passos          20/082012



16 de agosto de 2012

Sou teu de qualquer forma, sou teu em rimas versos e prosa.
Sou teu na alegria na tristeza ou na dor, sou teu em meus sonhos e em que te vejo toda graciosa.
Nos meus lampejos de saudade, na minha vontade de ti, sou teu em cada fim de dia.
Sou teu na certeza inquieta da minha razão de existir, sou totalmente teu quando teu sorriso se  irradia.
Sou teu na simplicidade dos meus versos, nada complexos onde te faço poesia.
Sou teu em cada coisa que faço, sou escravo da tua existência, da tua bondade, da tua verdadeira essência.
Sou teu ao admirar o bater de asas de uma borboleta graciosa e me lembro de ti.
E quando cai a noite e vou ao teu encontro e vejo em seu rosto um esplendido sorriso.
Me dou conta de quão grande é minha sede de você, de quanto de ti eu preciso.
E ao chegar perto de ti e fitar os teus lindos olhos, sentir o odor do teu suave perfume.
A sua pele suave e macia, aí  sim a emoção me contagia e eu me entrego a fervor da emoção.
Pego-a em meus braços com volúpia, desfaço os teus laços e te beijo infinitamente.
E nesse momento te faço minha de todas as formas e de todas as maneiras, assim como me faço teu, totalmente teu todos os dias.


Carlos A. Passos
Poeta Brasil                                                  16/08/2012

30 de julho de 2012

"Prefiro me calar diante da ignorância, não por temor ou falta de argumento, pois sei que  meu silêncio atormenta o ignorante com o doce sabor da dúvida do que realmente estou pensando a seu respeito".

Carlos A. Passos
Poeta Brasil                                                    30/07/2012